08/11/2011

R.I.P. Joe Frazier

Frazier à esquerda; Ali à direita - um dos seus três épicos combates

Raramente escrevo posts que não tenham a ver com futebol, mas há ocasiões especiais, e esta, para mim, é uma delas. Apesar das minhas limitações, espero estar a altura deste momento.

Morreu Joe Frazier, um dos mais devastadores e corajosos pugilistas de todos os tempos. Possuidor de um tremendo left hook (gancho de esquerda), Joe ficou na história da modalidade por ser um daqueles boxeadores que entravam em ringue por orgulho e não por dinheiro, mas principalmente pelos seus três combates épicos com Muhammad Ali, outro nome que marca a história do boxe, para muitos o G.O.A.T. (greatest of all times).



Frazier ganhou o primeiro dos três combates que travou com Ali, sagrando-se o primeiro pugilista a conseguir derrotar o até então imbatível Muhammad. Viria a perder os outros dois, o 2º por decisão e o 3º por desistência (imposta pelo seu treinador, nunca pelo atleta) ao 14º assalto, sendo este último considerado até hoje um dos combates mais brutais que os fãs da modalidade já viram, disputado num ringue sem condições onde as temperaturas atingiam mais de 50 graus centígrados. Analistas afirmam que Frazier e Ali deixaram um bom pedaço das suas vidas em ringue naquela noite.


Inimigos de estimação, várias vezes pegaram-se em público, mas aprenderam a respeitar-se mutuamente ao longos dos anos, algo que devia servir de exemplo para alguns praticantes e dirigentes do nosso futebol. É consensual entre os adeptos do boxe que Frazier não seria o mesmo sem Ali e vice versa, e embora ambos tivessem sido protagonistas de outros grandes combates, foi quando os dois se juntaram em ringue que o mundo assistiu a contendas que jamais serão esquecidas.


Assim como a maioria dos fãs, também eu sempre admirei mais Muhammad Ali por ser um show-man dentro e fora dos ringues, mas tal como Ali aprendi a respeitar e admirar Joe Frazier, um homem que a cada segundo dos seus combates transpirava o orgulho, coragem e honra que tinha dentro de si. Joe Frazier morre assim aos 67 anos, vítima de cancro no fígado. O seu amigo e eterno rival Ali ainda vive, apesar de carregar consigo uma doença prolongada resultante da violência com que foi atingido na cabeça ao longo da sua carreira. Duas lendas que para sempre serão recordadas.

Até sempre Joe, grande campeão.

BENFICA SEMPRE!!


5 comentários:

Coluna D'Águias Gloriosas disse...

grande post, faço minhas as tuas palavras..

UnumSLB disse...

O que dizer?

Eu que sempre mais admirei o "vencido" com que a malfadada sociedade Americana brinda os que não venceram, só reconhecendo os "vencedores".

Até sempre Joe, grande campeão.
Obrigado.

PS. Obrigado também a ti pela memória e por relembrares que nem tudo fede como o lodaçal do futebol Português.

Berrante De Encarnado disse...

Acho que tens razão, UnumSLB

De facto a sociedade Norte Americana sempre deu um muito maior reconhecimento a Ali.

Eu nem acho que seja totalmente injusto, pois sabemos que quem mais vezes ganha normalmente é mais reconhecido, e apesar de tudo Ali foi capaz de conquistar o cinturão 3 vezes, todas em diferentes Eras e contra pugilistas de diferentes gerações, o que é um feito notável, principalmente pelo brilhantismo com que venceu algumas dessas contendas.

Mas no caso de Joe Frazier acho que merecia, se não o mesmo, pelo menos um reconhecimento parecido ao que teve o grande e divertido Muhammad. Até porque todos sabemos que Frazier trabalhava mais em ringue que Ali, ao passo que este último era mais inteligente e dotado de um talento nas mãos e pernas do outro, sem esquecer a forma como doseava o seu esforço. Ali era um Extremo, Frazier era um Trinco.

Frazier dava mais de si, fazia as despesas dos combates, compensava a falta de técnica que tinha em relação a outros, nomeadamente Ali, com todo o seu suor, sangue, e só não vertia lágrimas porque provavelmente já não as tinha.

Apesar de tudo, tanto quanto sei, Frazier ainda chegou várias vezes a ser convidado para muitos eventos de consagração, onde na maior parte deles também aparecia Ali.

Talvez tenha sido pouco para o que ele deixou de si a todos nós naqueles ringues, mas acho que não estarei a exagerar se disser que foi e será devidamente reconhecido pelo mundo como um grande homem e pugilista que venceu - e muito bem - O grande e inteligente Ali.

Cumprimentos

Observador disse...

R.I.P.

Anónimo disse...

sociedade americana deu mais reconhecimento a ali porque este era mais mediatico, nao era so famoso pelos seus combates mas sim por varias polemicas. rumble in the jungle vamos ter nos agora dia 26.força benfica