28/07/2011

Bom Começo


O primeiro jogo oficial da época não podia ter tido melhor desfecho. 
Vitória merecida, embora difícil, por 2-0, frente a uma equipa turca muito chata. Nem sempre bem jogado, o encontro foi praticamente de sentido único, com o adversário a apostar no nosso erro e a tentar despejar bolas nas costas da nossa defesa. Na primeira parte viu-se um Benfica demasiado preso, sem grandes ideias no ataque, e pouco ou nada eficaz na pressão alta. Faltaram as jogadas de entendimento entre alguns dos nossos melhores jogadores que, neste jogo, estiveram algo desinspirados. Nos primeiros quarenta e cinco minutos gostei essencialmente da nossa defesa, que deu mostras de já ter bom entrosamento. Na segunda parte a equipa apareceu mais solta e rápida, principalmente depois das entradas de Nolito e Witsel, que trouxeram maior dinâmica à equipa, tanto a defender como a atacar. Nolito marcou o primeiro, e Gaitán fez o segundo, ambos foram golos de antologia. O arranque oficial da época é sempre complicado e, embora com alguns problemas, começámos da melhor maneira.

Continuo a dizer e irei continuar sem que o cansaço de repetir-me consiga travar-me: O nosso maior problema não é a defesa, nem tão pouco o ataque, mas sim o meio-campo. Nota-se que Jesus está a exigir mais trabalho defensivo aos extremos, mas depois é a tal história do cobertor. Há alturas em que nem defendemos bem, nem conseguimos partir rapidamente para os ataques rápidos. Não me canso de dizer que Javi e Aimar no centro são insuficientes contra equipas competitivas e que povoam bem o meio-campo. A transição defensiva continua algo débil em determinados momentos, e a primeira fase de construção torna-se lenta e previsível devido ao facto dos nossos jogadores muitas vezes estarem distantes uns dos outros. Abrem-se buracos enormes no centro, e isso tem consequências na qualidade da nossa posse e na transição defensiva quando perdemos a bola. Mas não vou massacrar mais, até porque correu bem e estou extremamente contente com a vitória. Acho é que este plantel tem qualidade suficiente para ir longe com outro sistema táctico. Nolito e Axel têm que de alguma maneira ser titulares.

Individualmente: Adorei Nolito e Gaitán (a espaços), gostei de Garay e Witsel.

BENFICA SEMPRE!!

3 comentários:

Jotas disse...

Obviamente que não foi, nem podia ser, depois de tantas e tantas peripécias a envolverem a equipa, uma exibição de encher o olho, mas foi uma exibição segura, com um triunfo justo e 2 golos de belo efeito.
Este resultado, dá tranquilidade para a 2ª mão e permite encará-la com confiança, julgo que em jogos a 2 mãos é fundamental vencer sem sofrer golos.
Destaque para a atitude em campo de Luisão, nada condizentes com o empolado das suas palavras, fazendo uma dupla com Garay que promete.
Luisão teve ténues assobios, provocados pelo energúmenos do costume, que só sabem ir ao estádio para assobiar e que não fzem falta nenhuma no estádio, são mais nocivos ao clube que os adeptos dos nossos adversários.
eu posso não aplaudir, mas sou incapaz de assobiar quem veste aquela camisola.
Quanto ao árbitro, as imagens falam por si, ele viu os penaltis e não quis assinalar, será que para os jogos internacionais do Benfica, a FPF também nomeia o António Garrido para acompanhar os árbitros?

DUX_XXI disse...

@encarnado.

Foi uma boa vitória, sem dúvida. Não está ganha, a eliminatória, mas está quase.

Garay é muito bom jogador, não achas? A melhor contratação encarnada da época.

Berrante De Encarnado disse...

Acho que ele é jeitoso, mas longe de ser perfeito. O problema é que tem falta de velocidade para o tipo de estratégia que Jesus gosta. Para jogar assim normalmente joga-se com um central rápido e outro alto. Mas sim, ele é jeitoso.

Das contratações, os que mais tenho gostado são Nolito e Witsel.

Cumprimentos