03/10/2012

Partes Distintas


Ao intervalo, apesar de estarmos a perder, senti-me orgulhoso do nosso Benfica. Tinha visto uma primeira parte com raça da nossa parte, ainda que com nervos a mais aqui e ali. Não tendo sido superiores, criámos alguns problemas ao Barça tanto a atacar como a defender. Poderíamos até ter feito golos ante aquela que, se não for a melhor equipa do mundo, é certamente a que melhor futebol pratica.

Já a segunda parte foram 45 minutos inteirinhos de pura frustração aliada a um
profundíssimo sentimento de impotência. Se eu acho que dava para mais, tal a diferença entre as duas equipas? Sinceramente, acho. Contentar-me-ia com algo parecido à primeira parte. Não sei se foram ordens de Jesus com o objectivo de tentar não sofrer muitos golos que possam fazer diferença nas contas do grupo, ou o esgotamento físico dos jogadores, ou uma quebra anímica colectiva brutal, mas a verdade é que nunca mais fomos o Benfica da  primeira parte.

O Barça joga um futebol de outro mundo, é um facto, mas se ficamos a defendê-los com olhos sem tentarmos o possível e o impossível para lhes tirar a bola, eles só a largam quando lhes apetecer chutar para golo, na maior parte das vezes com eficácia.

BENFICA SEMPRE!!

2 comentários:

Observador disse...

O que parecia, foi.
Um jogo difícil contra uma selecção de craques que joga um tipo de futebol que é, sabemos, amado por uns, odiado por outros. Mas extremamente eficaz.
O Benfica fez uma exibição globalmente positiva.
Melhor na 1ª parte? Sim, concordo.
Mas nunca entregou o jogo ao adversário.
E quando a supremacia ia aparecendo era mais por mérito dos catalães do que por demérito benfiquista.
Perder, assim, contra uma equipa destas?

Motivo para um menor acerto na segunda metade? Talvez a indicação de JJ para não haver muito esforço porque vencer este encontro seria improvável e há mais estórias pela frente.

Cumprimentos benfiquistas.

Anónimo disse...

Não me senti envergonhado pelo nosso Benfica!
Pelo contrário, com as armas que temos resistimos e bem o melhor que pudemos. Para além de ser evidente a capacidade futebolística da melhor equipa de futebol (na minha opinião da história) actual. Não me recordo-me de ver entre todas as equipas mundiais - aquelas que nos levam os melhores jogadores, porque podem - a fazerem muito melhor.
Dizer o contrário é ter ficado fixado na realidade dos anos 60.
Esses tempos já eram. Hoje a nossa realidade é de uma equipa de meio da tabela Europeia com pretensões a fazer uma surpresa. E isto enquanto a gestão for suficientemente eficiente para ir seleccionando, formando, valorizando e substituindo jogadores à altura.
Poderá isto parecer um elogio à estrutura do Benfica. Pois! É!