07/10/2012

O grande jogo que não foi


Embora este jogo tenha ficado longe de me encher as medidas, não o consigo classificar de mau. Não, porque vi a equipa a tentar, e em vários momentos a
conseguir, fazer as coisas bem, por vezes até melhor que nos últimos jogos na Liga. Acho que passámos ao lado de uma grande exibição, muito por culpa de falhas desesperantes na finalização e principalmente por cairmos em fases de intranquilidade difíceis de justificar. Contra um Barça ainda se percebe alguma tremideira desnecessária; já contra um Beira-Mar, com todo o respeito pelos aveirenses, não.

Como é possível Gaitán, ainda com 24 anos, não ser titular indiscutível? Ou se quisermos, como é possível ele não ter cabeça para agarrar a titularidade? Este ainda jovem tem um talento puríssimo e umas características físicas excelentes, embora estas passem despercebidas aos mais distraídos. Sim, ainda errou uma ou duas vezes naquele seu jeito por vezes meio displicente, mas houve três ou quatro acções suas neste jogo que definem claramente o calibre do rapaz. Ou deva dizer o possível calibre? Admirador do seu talento me confesso. E ainda acredito nele.

BENFICA SEMPRE!!

3 comentários:

Anónimo disse...

eu também ainda acredito no talento do rapaz.... ele é talento e futebol de rua em estado puro! Já não se fazem muitos jogadores assim, onde a qualquer momento, abrilhantam um jogo.

Se aquele primeiro remate dele ao ângulo tem entrado, acredito que a história seria muito diferente!

Força Gaitán e espero que este ano, seja o ano da tua verdadeira consagração! Precisamos de ti!

Observador disse...

Nicolás Gaitán é dos jogadores a actuar no nosso Benfica com maior índice técnico.
Como todos os jogadores tem altos e baixos e características de âmbito psicológico que lhe causam intermitências.
Do que não há dúvida é que Gaitán é jogador para entrar de início.
Valoriza a equipa e o seu (dele) ego.
É um talento.
Repare-se na forma como trata a bola.
Treinem-no adequadamente. Gaitán precisa de se treinar no aspecto de concentração no jogo. Esse é, sem dúvida, uma importante vertente que se melhora e/ou corrige nos treinos e não nos jogos.
Mais. Em minha opinião, Gaitán é do tipo de jogadores que não pode actuar preso a uma posição.
Deverá ser um 'pivôt', com as devidas compensações. Mas isso compete ao treinador ver.

Cumprimentos benfiquistas.

71460_5/8 disse...

O que menos gostei foi em muitas ocasiões não conseguirmos sair com a bola controlada desde a defesa face a uma pressão insípida realizada pelo Beira Mar. A quantidade de passes e recepções falhadas foi por demais. No Barça Real de hoje ambas as equipas tinham uma percentagem de passes concretizados superior a 70%. Nos contra uma equipa fraca não conseguimos chegar aos 50%. Como eu espero que o Aimar ou o Carlos regressem rapidamente ao melhor nível para colocarem alguma ordem na equipa nestes jogos mais fechados.